quarta-feira, 8 de julho de 2009

Kurt Donald Cobain


Nasceu em Aberdeen, uma pequena cidade do estado de Washington. Desde cedo começou a mostrar interesse pela música, cantor e compositor. Como viria a ser mais tarde, teve um início de infância feliz.

Com apenas sete anos, foi-lhe receitado Ritalin, remédio este que cria dependência química, numa tentativa de reduzir a sua hiperactividade.

Com nove anos começou a demonstrar alguns problemas de comportamento. Escreveu na parede do quarto que odiava os pais. Começou a ter acompanhamento médico devido a problemas no estômago que duraram o resto da sua vida.

Depois do divórcio dos pais, viveu com outros elementos da família, saltitando de casa em casa, por dez vezes diferentes. Foi numa destas mudanças que aprendeu a tocar guitarra. Depois disto viveu algum tempo nas ruas, em corredores de prédios ou hospitais.

Aos 17 anos começou a dizer que tinha genes suicidas, referindo-se ao elevado número de suicídios na família. No entanto, o interesse pela música mantinha-se, tocando cada vez melhor, chegando a gravar uma fita demo. Foram também por ele filmadas pequenas curtas-metragens, criativas, mas bastante perturbadoras.

Com 19 anos Kurt teve a sua primeira casa, lugar de ensaios do Nirvana. Neste mesmo ano Kurt conheceu sua melhor amiga e pior inimiga, a heroína.

Em 1991 o Nirvana lançou o Nevermind, com o super sucesso Smells Like Teen Spirit. As dores estomacais de Kurt estavam cada vez mais fortes, e para diminuir a dor, ele usava heroína. Em 1992 ele se casou com Courtney Love e em agosto do mesmo ano nasceu Frances, a única filha de Kurt.

Ele estava cada vez mais viciado, e infeliz. Usava heroína todos os dias, e não tinha mais vontade de tocar e compor. A única alegria dele era a Frances.

Em 1994, em Roma, ele tentou se matar, e escreveu um bilhete de suicídio, dizendo que como Hamlet ele tinha que escolher entre a vida e a morte, e ele estava escolhendo a morte. Mas Courtney o achou, e o levou ao hospital. Ele havia ingerido 60 comprimidos de um tranqüilizante muito forte.

De volta a sua casa, seus amigos o levaram para Los Angeles, para se internar, mas ele fugiu.

No dia 5 de abril de 1994, ele se acordou bem cedo, escreveu uma carta que estava endereçada “para Boddah”, seu amigo imaginário. Nesta carta ele relatava que não sentia mais prazer em fazer musica, falava de suas dores de estomago que estavam cada vez mais fortes, em seu medo de ver Frances se tornado igual a ele, a empatia que sentia por todos, e o fato que ele não se amava o suficiente eu gosto Deus acredite em mim eu gosto mais não foi o suficiente (pedaço de sua carta). Depois de escrever, ele pegou a espingarda, os cartuchos, toalhas (embora ele não fosse precisar delas, alguém precisaria), cerveja e o kit de heroína. Foi até a estufa, porque lá o piso era fácil de limpar, agarrou a espingarda, e encostou o cano no seu da boca. E então tudo acabou.

Mas ficou a saudade de uma geração inteira, e a saudade de quem era um bebê quando ele se foi, mas através de relatos, biografias, músicas, vídeos, depoimentos, arquivos antigos, se apaixona por alguém que já morreu.

Kurt Donald Cobain foi muito mais que um roqueiro de sucesso, rico e drogado. Foi um rei, um líder, uma inspiração, a voz da chamada “geração X”, teve, tem e sempre terá fãs e músicos que se inspira em seu trabalho. Kurt cobain foi um astro mundial do rock nunca haverá ninguém igual a Kurt cobain!!! Que mesmo depois de anos continua fazendo tanto sucesso pelo mundo inteiro. Como dizia Kurt: mais quando eu morrer todos vão sentir falta do rock quente e barulhento que viaja em minha veia.

Segundo uma frase que está escrita em muitos lugares: “Não sei se é Deus, não sei se é o diabo, mas com certeza não é humano.” E segundo a “geração X” ele é imortal, porque deuses não morrem.

2 Pensamentos:

  1. Amo Nirvana. E, como a maioria dos meus ídolos, Kurt infelizmente se foi cedo demais.
    Mas a música o tornou imortal.

    ResponderExcluir